Notícias
AnterioresPróximas


COMUNICADO APDF01 Junho 2018
COMUNICADO APDF

Considerando toda a atenção e Respeito que todos os Doentes nos merecem, foram analisadas todas as situações presentes e que, quer tudo o que se encontra sob a nossa responsabilidade e obrigações para convosco, quer principalmente o interesse que, desde sempre, nos levou a tudo fazer em Vossa defesa!

Primeira e mais importante conclusão:

Neste momento a APDF não se encontra em situação de poder manter esta Página do facebook como até esta data o fez.

Existe uma total INCOMPATIBILIDADE de interesses que, a continuarem inseridos numa igualdade de trabalho dentro de um mesmo processo de Luta, revelariam, da nossa parte uma grave falta de ética, falta de coerência e, essencialmente falta de seriedade e respeito para com os doentes fibromiálgicos que sempre defendemos, assim como perante os Órgãos Institucionais com quem temos trabalhado e debatido.

A APDF sempre acreditou em todas as Lutas que desenvolveu e tudo tem feito para conseguir que as mesmas fossem concretizadas, zelando pelo interesse de todos aqueles que nós próprios sabíamos e sentíamos que pertencíamos a um mesmo grupo de igual sofrimento e tortura no dia a dia da nossa vida.

Até que um dia diferente de todos os outros chegou!

Foi descoberto, casualmente, um novo medicamento que, não temos qualquer dúvida atendendo aos resultados já encontrados e provados, poderá alterar consideravelmente a qualidade de vida de cada doente fibromiágico.

Foram efetuados inúmeros abaixo-assinados e queixas contra o trabalho da APDF extremamente graves nas acusações sem fundamentos ou provas, que foram distribuídos pelas mais importantes Instituições do Estado. Ou seja, todos tomaram conhecimento, de uma forma pouco digna, do medicamento Somazina que a APDF estudava com o mais elevado critério de seriedade, legalidade e de uma forma o mais possível silenciosa até que pudesse, após os devidos estudos de investigação e de acordo com a Lei em vigor, ser devidamente e oficialmente anunciado.

Avisamos do sucedido todos os Doentes, mas sempre com o conselho rigoroso da necessidade de um conselho médico. O resultado, rapidamente, ficou bem claro! Num elevado número de doentes o resultado positivo foi constatado, noutros só interferiu na qualidade do sono, assim como um melhor despertar e noutros ainda nenhum resultado foi obtido. Tal qual qualquer outro medicamento teve e tem, ainda, que passar por todo um processo de uma Investigação mais séria e conclusiva pelo Laboratório em questão. Teremos que aguardar, atendendo a que estes processos de Investigação são morosos e obrigam a uma utilização de verbas bastante avultadas.

Muitas mais situações estão já em curso, mas que a APDF não poderá, por enquanto, revelar.

Faltava-nos apenas a posição da Ordem dos Médicos, a qual já foi recebida e, muito claramente, anunciou que se encontra dentro do processo de Investigação da Somazina. Lamentamos que poucos doentes tenham percebido o Ofício recebido. Aconselhamos que imprimam o mesmo e o dêem a conhecer aos Vossos médicos, assim como solicitar uma nova avaliação da medicação que até agora vos foi prescrita, de forma a que não haja nenhum outro químico que possa interferir e diminuir os efeitos da Somazina.

Após estas informações, a APDF declara que:

1 – A APDF já fez todas as diligências possíveis junto de todos os Ministérios envolvidos em todas as exigências que vínhamos a lutar desde há anos;

2 – Desde há muitos meses, apenas temos acompanhado os trabalhos de todos os grupos formados, tentando, regularmente, saber qual o ponto de cada situação por nós iniciada;

3 – Nada mais haveria a fazer neste momento. Todas as nossas reivindicações favoráveis e tão aguardadas pelos nossos doentes já estavam concluídas, estando a haver da nossa parte apenas insistências da maior brevidade possível dos trabalhos já iniciados e em curso, neste momento considerado por nós bastante lento...

4 – A partir do momento em que todos os Órgãos do Poder tomaram conhecimento, através das denúncias negativas por doentes descrentes e que nada mais pretendiam que a obtenção da não concretização da nossa Luta até agora encetada pela APDF sobre todos os direitos por nós considerados justos, assim como a ausência de aceitação da nossa descoberta e respetivos resultados que íamos fornecendo, quer para o próprio Laboratório Ferrer, quer para o Infarmed, rapidamente esta informação foi tornada conhecida, a começar pela DGS. Contudo, tendo havido provas consideradas suficientes e facultadas pela APDF, foi concedida Ordem para a respetiva Investigação.

Assim, a APDF não poderia nunca continuar a trabalhar de uma forma que consideramos dupla e desonesta, continuando a insistir nos Direitos até então exigidos, tendo aparecido, entretanto, um medicamento que melhora substancialmente a qualidade de vida destes doentes!

Se ACREDITAMOS no extraordinário efeito da “Somazina”, como poderíamos continuar a insistir em todas as regalias que até agora reivindicávamos? Qual a credibilidade da manutenção dessa Luta virada para dois sentidos completamente opostos? Luta essa, que, a conseguirmos, seria para os doentes por tempo indeterminado ou para o resto das suas vidas, estando em estudo algo que poderá fazer cada doente retomar em elevada escala a sua vida normal!

Perguntamos aos doentes do nosso país:

O que preferem?

Ficarem para o resto da vida com determinadas regalias em função das incapacidades que a fibromialgia poderia provocar, recusando um novo tratamento?

Ou

Aguardarmos o término das investigações e, oficialmente terem para si próprios um medicamento que, pela primeira vez no mundo, direcionado especificamente para a fibromialgia, permitindo que todos estes doentes possam retomar a sua vida de outrora?

A Fibromialgia, para já, é considerada crónica. Para já também, acreditamos, na medida em que, mesmo com os elevados efeitos da Somazina, podem aparecer, por vezes, pequenos sinais desta patologia, só que com muito menos intensidade e com uma curtíssima duração.

Esta é a Posição da APDF, que assumimos!

Através da mesma, fazemos um sério APELO a todos os Doentes que não se auto mediquem NUNCA sem antes disso falarem com o Vosso médico, reavaliarem o Vosso diagnóstico, até que esta situação da Investigação já iniciada fique concluída.

Cada médico tem que se responsabilizar pelos medicamentos que prescreve a cada doente, diferente um do outro. Não existe no mercado farmacêutico nenhum específico para a fibromialgia, ou seja, cada doente está a ser bem medicado e orientado ou não, sendo a responsabilidade apenas do próprio clínico. Se notam que um determinado medicamento nada vos faz, insistam com o Vosso médico. Ele é obrigado a fazer todas as tentativas necessárias, até que consigam um melhoramento do Vosso estado! Até porque, está provado, que certos químicos tomados conjuntamente, provocam efeitos contrários aos desejados.

Comunicamos também que, a partir desta data, a APDF não mais entrará em contacto com as Entidades Governamentais, deixando e apelando para as duas Associações existentes que o façam em nome daquilo em que ainda pensamos que acreditam:

Conseguir do Estado o prosseguimento de tudo aquilo quanto já foi entregue, muito trabalhado e reivindicado pela APDF. Considerando as posições observadas dessas duas Associações, pensamos que não deverão as mesmas ter qualquer tipo de problema em fazer apenas aquilo em que acreditam, se e é que acreditam no sucesso do nosso trabalho até agora encetado, ou seja, não aceitando o novo medicamento encontrado, pensamos que poderão e deverão continuar com tudo aquilo que já estávamos a fazer, como sejam a isenção das taxas moderadoras, comparticipação para os medicamentos, possibilidade de cada doente poder ser devidamente avaliado quanto à incapacidade provada e respectiva possibilidade de reformas antecipadas de acordo com a mesma, assim como cada doente ter Direito a uma adaptação do seu horário laboral, quer alterando o mesmo ou a possibilidade de redução do número de horas que lhes seriam concedido, com o respectivo reembolso pelas Autoridades competentes. Nunca paramos de lutar! Todas estas reivindicações e todos os processos para que as mesmas pudessem ser alcançadas, têm sido constantes e insistentemente apresentadas aos diversos Governos que nos têm recebido ao longo dos últimos anos.

Este Governo actual deu-nos mais garantias quanto à possibilidade da concretização da nossa Luta, mas o tempo ía passando sem qualquer decisão conclusiva.

Agora, para quem considerar que este é o único meio de ajudar os doentes, só poderão fazê-lo através do: Insistir… Insistir… Insistir naquilo em que acreditam poder vir a beneficiar os Doentes Fibromiálgicos do nosso país! Consideramos ser uma segunda hipótese que já deixa de pertencer à responsabilidade da APDF!

Duas Lutas diferentes, em que uma delas terá de vencer! Pensamos ser um desafio honesto, já que os nossos doentes esperam, com todo o direito, muito de todos nós!

A Página da APDF manter-se-à dentro de uma perspetiva diferente:

Apenas passará a publicar informações consideradas como importantes, conforme vamos tendo conhecimento das mesmas e que sejam úteis para os Doentes. Não pararemos o nosso trabalho, apenas o mesmo passa a ser dirigido para uma nova dimensão que consideramos mais importante!

Aconselhamos todos os nossos Doentes que tentem colher informações através das duas Associações existentes, assim como fazemos um apelo às mesmas que, se acreditam nos resultados das investigações em curso a nível mundial e que a APDF sempre as procurou na Internet, solicitamos que tentem manter esse nosso trabalho anterior e as façam chegar ao conhecimento dos doentes, que merecem estar sempre informados do que se passa sobre a patologia de que são vítimas.

Encontros, convívios, ajudas clínicas e tratamentos paralelos de toda a espécie que possam diminuir o sofrimento dos nossos doentes, que continuem a ser feitos. Será uma grande ajuda para os mesmos.

Foi em nome deles e em nome da Seriedade do nosso trabalho que a APDF tomou, por unanimidade dos seus membros, esta posição!

Bem hajam pela Elevada Amizade que se criou entre muitos milhares de Doentes e pedimos desculpa a todos aqueles que não acreditam na nossa actual Aposta como verídica.

Continuar a postar artigos, que não deixam de ser repetidos de todos quantos já foram publicados e continuarmos a trabalhar para pessoas que não entendem a nossa linguagem e optam pela crítica destrutiva, provocaram dentro de nós um sentimento de impotência e desnecessária preocupação dentro de um trabalho que começamos a sentir inócuo. Sempre apostamos naquilo que sentimos ser útil para os nossos Doentes e, a partir de certa altura, começou a crescer uma frustração que nos impedia todo o entusiasmo que sempre nos moveu a favor dos interesses dos Doentes Fibromiálgicos do nosso país. Esta Página passou a apresentar, em algumas das mensagens recebidas, uma vulgaridade de conceitos ignorantes e sem qualquer sentido científico, tentando ultrapassar a seriedade do nosso trabalho e estudos nunca estagnados e sempre actualizados. O ataque começou a ser frequente e o reconhecimento de todo o nosso trabalho e esforço tristemente desvalorizado. Ou seja, sentimos que a APDF estava a perder o Valor que durante tantos anos foi alcançado e mantido.

Recusamo-nos a trabalhar dentro de uma mediocridade que nos pretendem impôr!

Acabou por Vencer o que sentimos ser MAIS IMPORTANTE!

Depois das reuniões já efectuadas quer com o Laboratório Ferrrer (que demonstrou interesse nesta investigação), quer com o Infarmed, estamos convencidos e muito esperançados que estamos certos de que se alcançará o resultado tão esperado ! Os resultados estão à vista e esse pormenor provoca uma ajuda substancial no resultado final da investigação encetada.

Os dois e-mails da APDF continuarão abertos!

Pensamos que, com uma Unidade entre aqueles que acreditam ou não na nossa Razão e posterior postura, poderão contribuir para algo que nunca existiu no nosso país:

UNIÃO entre todos os Doentes Fibromiálgicos, independentemente dos seus conceitos e formas de trabalho!

Nota:

Atendendo a que este comunicado é uma Decisão dos Órgãos da APDF, não haverá possibilidade de aceitação de comentários, muito menos respostas aos mesmos. Ou seja, uma decisão tem o direito de ser aceite ou não pelos doentes, mas nunca comentada! A Página continuará activa apenas para podermos informar os doentes de tudo o que de importante puder vir a acontecer em seu benefício.

Não estamos parados!

Solicitamos, uma vez mais, a leitura das inúmeras publicações já efectuadas, onde poderão encontrar as respostas a todas as Vossas dúvidas!

Um Grande Abraço de Todos nós!

Pela APDF

Fernanda Margarida Neves de Sá


AnterioresPróximas

Desenvolvido por: Particula Digital