Notícias
AnterioresPróximas


Denúncia de violência doméstica sobre doentes fibromiálgicos07 Outubro 2004
Porto, 29 de Setembro de 2004





À Direcção de Programas da
“ R.T.P.”
“ S.I.C.”
“ T.V.I.”


Assunto:
Pedido de DEBATE – Fibromialgia e Violência Doméstica


Está, esta Associação, em contacto diário com os Doentes Fibromiálgicos do nosso país, através da Linha Verde 800205636.

Há já cerca de três anos que lutamos pelo esclarecimento de médicos e sociedade em geral sobre esta patologia. Contudo, e com a criação de uma nova Associação ligada a figuras públicas, com demasiada utilização dos órgãos de Comunicação Social e consequente cansaço dos mesmos, grande parte do nosso trabalho ruiu, impedindo o avanço da ajuda tão necessária que pretendemos dispensar aos nossos doentes. Querendo imitar as figuras apresentadas e perante uma patologia que não possui provas clínicas da mesma, falsos fibromiálgicos começaram a aparecer. Deficientes e falsos diagnósticos começaram a ser apresentados. Os verdadeiros doentes começaram a esconder a patologia diagnosticada, sua dor e problemas consequentes por vergonha!

Maioria mulheres, vêem-se confrontadas perante grave falta de esclarecimento clínico, jornalístico e consequente desinformação social, profissional e familiar. Presas numa grande teia, são Vítimas de uma crescente e assustadora situação de Grave Violência Doméstica e Social, quer física, quer emocionalmente. Súplicas de Ajuda para atitudes desumanas, cruéis e brutais chegam até nós!

Acusadas de “manha”, “preguiça”, chantagem”, “pretensão em ser vip”, “desequilíbrio mental”, “histeria”, são algumas das acusações para todas aquelas que, durante muitos anos da sua vida, com elevada entrega, nunca souberam parar. Ofereceram o seu maior empenho para tudo e todos aqueles que as rodearam (característica principal destas doentes).
Incompreendidas, insultadas e maltratadas, com dores permanentes em todo o seu corpo e limitações de toda a ordem, vêem-se obrigadas a abandonar todos aqueles que sempre amaram, para prosseguirem, num seu pequeno canto, a vida que ainda lhes resta, sob um terrível e desumano conformismo e uma pura castração emocional e afectiva. Esta, a melhor hipótese existente e só possível para uma pequena percentagem de doentes, com disponibilidade económica para tal.

Só que esta não é a verdadeira realidade do país!

A grande maioria destas doentes pertence a uma classe com baixa capacidade económica.
Assim, vê-se Obrigada a prosseguir a sua vida debaixo de toda uma permanente situação de conflito e violência. Esforça-se brutalmente! Quer continuar a “funcionar” e Não Consegue!
O seu corpo não dá resposta a tudo aquilo que a sua mente lhe ordena. Prossegue debaixo de uma elevada adaptação à dor e consequente instalação de um quadro depressivo, temporário ou crónico.

Assistimos, então, a duas situações:

Ou perde toda a sua capacidade de reacção e noção dos direitos humanos que lhe são devidos, transformando-se em “objecto”que vai “oleando”conforme pode para continuar a Servir os que a rodeiam, ou, sem capacidade e força interior para tal, procura o suicídio como única resolução do seu terrível drama. Estes últimos casos chegam até nós num número demasiado assustador. Podemos mesmo afirmar que são raras as doentes fibromiálgicas que nunca tenham pensado e desejado a morte, vendo-a como única alternativa ao seu problema.

A patologia está reconhecida no nosso país como “Doença crónica, Incapacitante e muitas vezes Progressiva “. Contudo, não foi ainda dado a estes doentes Enquadramento Legal correspondente, de forma a serem reconhecidos como tal, sendo-lhes vedado qualquer tipo de regalias sociais. Sua incapacidade funcional e respectiva necessidade de reformas antecipadas, baixas prolongadas e consequentes despedimentos forçados provocam graves situações emocionais e económicas…
Daí, toda a problemática existente.

Foi-nos prometido em 2003 e em duas Audiências efectuadas no Ministério da Saúde que tal situação seria resolvida até final desse ano.
O tempo passa e, com a alteração do anterior executivo, verificamos uma total indiferença e, pensamos, total desconhecimento do anteriormente elaborado e prometido.

Aguardamos, há cerca de um mês, resposta a novo Pedido de Audiência!

A Fibromialgia continua a ser abordada levianamente e sem a devida e correcta informação clínica. Mais grave ainda, são transmitidos conceitos incorrectos por médicos e jornalistas mal informados.

Falar e criticar sobre o desconhecido é um Acto de Presunção!

Continuam a apostar no elevado número de doentes que compra tudo que fale da sua doença. Só que a frustração mantém-se. Reportagem após reportagem!...

A Fibromialgia é bem mais complexa, bem mais grave que tudo o que tem sido apresentado!

Pensamos ter chegado a hora de ser feito um CLARO E COMPLETO esclarecimento sobre esta patologia. É URGENTE uma séria e vasta abordagem por especialistas devidamente esclarecidos, sob uma necessária informação Multidisciplinar (um Clínico Geral, um Neurologista, um Reumatologista, um Psiquiatra e um Fisiatra).

Precisamos da Vossa Ajuda para denunciar publicamente toda esta situação!

Necessitamos por cobro a toda esta VIOLÊNCIA existente!

Gratos por toda a atenção que nos possam dispensar, aceitem nossos Melhores Cumprimentos.

APDF


AnterioresPróximas

Desenvolvido por: Particula Digital